Publicado por: Elektro | 12 Junho 2010

O Petiz

Por volta das quatro da tarde fomos chamados à Sala de Emergência de Pediatria. Uma criança tinha caído e, por azar, aterrado em cima de um vidro que lhe tinha feito um golpe no peito. Dentro do Serviço de Urgência de um hospital, a sala de emergência é um quarto especial onde se encontram equipamentos e fármacos de reanimação e onde existe a privacidade necessária para assistir aos doentes mais críticos. Sendo assim é uma sala que costuma estar sempre limpa e arrumada, pronta a ser utilizada nestes casos mais emergentes.

A história que nos contaram não parecia justificar uma ida para a sala de emergência, assim, para lá nos dirigimos céleres, na expectativa de poder encontrar um quadro mais crítico. Quando chegámos vimos um pequenito rapaz loiro, com cerca de cinco anos, deitado em cima de uma proporcionalmente grande maca, que olhava para nós com um ar espantado, mas que aparentava estar bastante tranquilo. Destapámos um grande penso que cobria quase metade do lado esquerdo do peito do pequenito e não foi preciso ver mais nada. A ferida era grande o suficiente para não poder ser tratada localmente, teria de ir ao bloco operatório, para se poder adormecer o rapaz e tratá-lo eficazmente e sem lhe causar dor. Naqueles breves instantes de observação, foi ainda possível detectar uma brisa ligeira vinda da ferida. Mais do que o tamanho, este era um sinal de alarme de que a parede torácica poderia estar totalmente perfurada, podendo também ter sido afectado o delicado conteúdo do tórax.

Há vários motivos para a parede torácica ser composta de uma estrutura rígida mas flexível, incluindo osso e músculo. Os dois principais são a boa capacidade mecânica que esta estrutura tem, essencial para a boa ventilação dos pulmões e, em simultâneo, a protecção adicional que dá aos órgãos no seu interior. No tórax encontram-se o coração, os pulmões e os maiores vasos do corpo humano. Órgãos tão vitais quanto delicados, carecendo por isso de adequada protecção.

Voltando ao pequenito, era importante assegurar que os órgãos torácicos não tinham sido afectados, caso contrário, o grau de emergência subiria exponencialmente! Para isso, só a inspecção do rapaz dava-nos logo muita informação. Estava tranquilo e respirava calmamente. Se os pulmões tivessem sido gravemente atingidos, era certo que estaria com a respiração alterada. A auscultação permitiu concluir que o lado direito estava bem ventilado, havendo alguma diminuição dos ruídos pulmonares na região da ferida. Olhando para o menino viamos também que não sangrava da ferida, não estava agitado, prostrado, suado ou pálido, os sinais mais imediatos de compromisso circulatório (grandes vasos e coração). De novo a auscultação permitiu ouvir os sons rítmicos do coração que parecia tão tranquilo como o seu dono. Juntado a estas informações outros sinais mais discretos e os dados dos parâmetros vitais pudemos agir de forma mais calma e ponderada. Decidiu-se fazer uma ecografia e radiografia do tórax, para chegarmos mais além dos nossos sentidos. Ambos os exames foram normais, tendo nos transmitido mais alguma da tranquilidade que o menino loiro emanava. Assim, pôde programar-se com urgência, mas sem correr, a ida do rapaz ao bloco operatório.

Poucas horas depois a grande maca com o pequeno rapaz loiro deitado em cima, entrava na sala de transferência de doentes do Bloco Operatório. Um último beijo aos pais e o sempre tranquilo rapaz era passado para uma maca do bloco. A anestesista rapidamente pôs o menino a dormir enquanto desinfectávamos as mãos e preparávamos os instrumentos cirurgicos. Destapámos a ferida. Por entre o tecido das duas costelas afastadas via-se o interior sombrio da cavidade torácica. A cada segundo que passava, surgia por instantes uma massa amarela arredondada, para logo de seguida voltar a desaparecer… eram o coração e pulmão esquerdo do rapaz! A cor destes órgãos é diferente do tradicional encarnado do músculo cardíaco e do cinzento-avermelhado dos pulmões porque in vivo estes órgãos encontram-se envolvidos por serosas, membranas de duas camadas que permitem que os órgãos envolvidos deslizem sem atrito em relação aos órgãos adjacentes. A serosa que envolve o coração é o pericárdio, a que envolve os pulmões é a pleura.

Dado o bom estado geral do rapaz, não estavamos à espera de encontrar uma ferida tão profunda. O vidro abriu um golpe com cerca de doze centímetros no pequeno e frágil peito do rapaz. Proporcionalmente ao tamanho dele, este golpe abria cerca de um terço da circunferência do lado esquerdo do tórax, por entre duas costelas. Apesar da grande ferida, parecia que, por sorte, as estruturas interiores estavam todas íntegras e a funcionar correctamente. Procedeu-se à delicada sutura por planos da parede torácica. No final, voltou a fazer-se uma radiografia do tórax. Novamente o aspecto dos pulmões do rapaz, no interior da caixa torácica suturada, era normal, incrivelmente sem colapso pulmonar ou pneumotórax (ar entre a grelha costal e os pulmões).

A Medicina é um desafio onde temos de conseguir integrar o maior número de dados possíveis, atribuindo-lhes prioridades, hierarquizando-os e interpretando-os como um todo. Os sinais mais assustadores podem não o ser se o restante quadro não o for.

Dois dias depois, os sinais clínicos e os exames realizados continuavam a demonstrar um bom estado geral do pequenito. A ferida suturada mostrava boa evolução e sinais de correcta cicatrização. O rapaz teve alta com indicação para repouso até voltar à consulta. O mais certo é que, por essa altura, o pequenito rapaz loiro já esteja em condições de poder voltar às suas traquinices, que se esperam menos acidentadas!…


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: